Fato Concreto

Fato Concreto

Páginas

Polícia desbarata quadrilha considerada perigosa em Feira de Santana


Policiais do Serviço de Investigação da Polícia Civil de Feira de Santana/BA, sob o comando do coordenador Ricardo Brito, desarticularam uma quadrilha de traficantes de drogas, ladrões e homicidas, na noite de 16 de setembro de 2013 (segunda-feira). Os integrantes foram identificados como: Marcelo Pinheiro dos Santos o "Marcelo da Véa", 29 anos; Marcelo Alves, apelidado de "Marcelo Mongol", 22, morador da Pedra Ferrada; Edvaldo Azevedo de Souza, o "Gast", 25, morador do Nova Esperança; Erica Queiroz dos Santos; Silvana de Jesus e Elielton Pinheiro, 20.  


Com a quadrilha, a polícia encontrou cinco quilos de maconha, uma pistola calibre .40; uma pistola calibre .380; um revólver 38; um taco de beisebol, além de um material que o bando usava para praticar tiro ao alvo. Também, dois veículos.

O coordenador Ricardo Brito afirmou que a quadrilha agia no bairro Queimadinha. “Estamos investigando essa quadrilha que é liderada por Marcelo da Véa há meses e com a prisão do mesmo feita por policiais militares nos ajudou a desarticular a quadrilha”, frisou o delegado. A prisão de parte da quadrilha começou com um trabalho de policiais militares do GETO 65 no início da tarde do mesmo dia. Clique aqui e relembre o começo desta operação policial.
  
Segundo levantamento feito pela polícia, Marcelo Alves, o "Marcelo Mongol" é estudante de direito de uma faculdade particular em Feira de Santana, onde está cursando o 8º Semestre. Ainda de acordo com a investigação, Marcelo Alves é suspeito de matar o funcionário da Jacuípe Veículo, identificado como Márcio, no ano passado na avenida Maria Quitéria, na frente da escola São João da Escócia. 


A investigação aponta que Marcelo teria matado Márcio porque o mesmo estava namorando com a ex-namorada dele. Na delegacia, Marcelo afirmou para reportagem que não praticou nenhum homicídio. 

Marcelo da Véa, por sua vez afirmou em entrevistas cedidas para reportagem que, apenas ele e Gast que é proprietário das armas e das drogas e que Marcelo Alves, Elielton a as duas mulheres não tem nenhum envolvimento. Ele contou ainda para a reportagem que vive sendo perseguido por "Mamai" e ameaçado de morte 24 horas. “Esse Mamai, quer por que quer me matar, eu não posso sair para lugar nenhum que ele fica sabendo e de dentro do presídio ordena o que ele quer fazer aqui fora, ele mata, ele trafica, ele sequestra, faz tudo de ruim de lá de dentro, mas eu quero se bater com ele de frente aqui fora”.

“Então, eu não posso ficar aqui fora de bobeira, outra coisa, eu não comando nada, meus parceiros aí, cada um manda em si, aqui ninguém manda em ninguém, todos se assume com seu B O (Boletim de Ocorrência). Agora quero falar pra vocês, porque que Mamai faz isso tudo de lá de dentro e ninguém faz nada, ele posta fotos e fotos em seu Facebook diariamente com seus cordões de ouro, roupas de marcas, nem a gente aqui fora tem condições de andar como ele anda lá dentro”, finalizou Marcelo.


* Fato Concreto com informações do Central de Polícia e Polícia é Viola

2 comentários:

Anônimo disse...

Marcelo Mongol. Ninguem esqueceu que vc tentou matar o policial no feira 6. se ligue

Anônimo disse...

Iai gaxi ai agora ta bom?alemao discarado a liberdade de voces nao vai xega nunca i quando chegar todo mundo vao cair nu aco si fudeu disgracau

Postar um comentário